Notícias

Arábia Saudita: resumo de um verão 2023 agitado

Escrito por: Xavier Correia

Verificado por: Michael Baker

A Arábia Saudita é uma conhecida no mundo do futebol pelos seus milhões (aka “petrodólares”), mas apenas nesta temporada se tornou um destino para o futebol europeu. Tudo começou com a transferência de Cristiano Ronaldo no início de 2023. Na época, esse movimento foi considerado incomum, e recentemente, o jogador português chamou a atenção com um discurso um tanto pretensioso, afirmando que sua transferência abriu as portas para jogadores do resto do mundo chegarem ao país.

Eis principais jogadores que se transferiram para a Arábia Saudita durante a janela de transferências de verão de 2023:

  • Neymar: 80 milhões de euros (PSG para o Al-Hilal)
  • Malcom: 60 milhões de euros (Zenit para o Al-Hilal)
  • Otávio: 60 milhões de euros (FC Porto para o Al-Nassr)
  • Rúben Neves: 55 milhões de euros (Wolverhampton para o Al-Hilal)
  • Aleksandar Mitrovic: 52,6 milhões de euros (Fulham para o Al-Hilal)
  • Fabinho: 46 milhões de euros (Liverpool para o Al-Ittihad)
  • Sergej Milinkovic-Savic: 42 milhões de euros (Lazio para o Al-Hilal)
  • Ryhad Mahrez: 35 milhões de euros (Manchester City para o Al-Ahli)
  • Roger Ibañez: 35 milhões de euros (Roma para o Al-Ahli)
  • Jota:29,1 milhões de euros (Celtic para o Al-Ittihad)
  • Allan Saint-Maximin: 27 milhões de euros (Newcastle para o Al-Ahli)
  • Kalidou Koulibaly: 23 milhões de euros (Chelsea para o Al-Hilal)
  • Seko Fofana: 19 milhões de euros (Lens para o Al-Nassr)
  • Edouard Mendy: 18,5 milhões de euros (Chelsea para o Al-Ahli)
  • Marcelo Brozovic: 18 milhões de euros (Internazionale para o Al-Nassr)
  • Franck Kessié: 12,5 milhões de euros (FC Barcelona para o Al-Ahli)
  • Karim Benzema: custo zero (Real Madrid para o Al-Ittihad)
  • Roberto Firmino: custo zero (Liverpool para o Al-Ahli)
  • N’Golo Kanté: custo zero (Chelsea para o Al-Ittihad)
  • Joel Robles: custo zero (Leeds para o Al-Qadsiah)

Investimento governamental: a força motriz de um, plano abrangente

Em junho, o governo saudita tomou medidas significativas ao assumir o controlo dos quatro maiores clubes do país.

O ministro do desporto saudita anunciou que o Public Investment Fund (PIF), um fundo de investimento controlado pelo governo, passaria a controlar os quatro principais clubes do país: Al Ahli, Al Ittihad, Al Hilal e Al Nassr.

O objetivo era fortalecer esses clubes e a liga como um todo, como parte dos esforços para aumentar a influência do país no cenário desportivo global, onde consta a ambição de receber um Mundial de futebol num futuro, como parte de um projeto muito maior.

O PIF assumirá 75% da Saudi Pro League, enquanto os restantes 25% serão de propriedade de duas organizações sem fins lucrativos. As estruturas diretivas destes clubes serão compostas por sete membros, cinco deles escolhidos pelo PIF e dois pelas organizações sem fins lucrativos.

É esta onda de investimento que sustenta o aumento de jogadores europeus nos clubes sauditas, com o objetivo de causar um impacto significativo no cenário desportivo. A contratação de Karim Benzema pelo campeão saudita, o Al Ittihad, é talvez o exemplo mais notável. O clube também conta com Romarinho, destaque da última temporada, e contratou N’Golo Kanté, Fabinho e o atacante Jota (ex-jogador do Celtic).

Responsável Editorial